terça-feira, novembro 08, 2005

Escolha

Estava sentado, parado, apoiado na parede. O barulho das máquinas naquele quarto era a trilha sonora sempre constante, as luzes nos aparelhos demonstravam seus sinais vitais. Podia ver a bomba que subia e descia no ritmo cadenciado de sua respiração, já não tinha forças para inspirar. Na verdade, já não tinha forças para abrir seus olhos, tudo era um pesadelo escuro de onde não podia simplesmente despertar.

Observava seu corpo estirado naquela cama de hospital. Lembrava-se apenas de estar junto com as tropas, estavam sendo deslocados para eliminar um grupo de rebeldes naquela guerra civil que já durava tantos anos... Pisou em falso e tudo ficara escuro, desde então tivera apenas alguns lampejos de consciência durante os dias (ou semanas, ou meses) em que estava ali. Os tubos na boca o impediam de se comunicar, já não havia mãos que pudesse mexer, os olhos já não queriam enxergar.

Continuou apoiado naquela parede branca e fria do hospital enquanto olhava para seu corpo inerte logo à sua frente. Alguém ainda ousava chamar aquilo de vida? Estava ainda preso a seu corpo, mas já não vivia. Todavia, não ganhara ainda a libertação da morte.

Porém, como se finalmente suas preces tivessem sido atendidas, uma garota de não mais do que doze anos, vestindo corpete preto e saia da mesma cor, os grandes olhos negros refletindo uma calma imensa. Sorria ao encostar a mão delicadamente branca em seu ombro.

- Clamaste tanto por minha presença, Mateus, estou aqui.

- Podemos ir embora logo, então?

- Ainda poderás escolher, terás tua última chance...

Nesse mesmo instante, uma equipe hospitalar entrou no quarto. Eram três homens e duas mulheres um tanto diferentes dos médicos que estava acostumado a ver ou das enfermeiras que vez ou outra monitoravam seus estáveis sinais vitais, eram completos desconhecidos que invadiam seu quarto. Podia ouvir um deles, carregando um palmtop, dizer:

- É o soldado identificação 0857442 da seção 5. Perdeu os membros superiores e inferiores, perdeu totalmente a visão e sofreu queimaduras pelo corpo. Uma cobaia perfeita para a operação Endo Machina para o soldado perfeito. A escolha seria passar o resto da existência em coma, até o dia em que os aparelhos sejam requisitados para uma vida que tenha o real potencial de ser salva.

De um carrinho, alguns pedaços de um metal que não pôde reconhecer foram retirados. Eram parecidos com próteses e, pelo que pôde ouvir da conversa entre aqueles homens, era de uma liga metálica ultraresistente que o faria correr mais rápido que um homem comum, além de resistir a uma explosão de mina terrestre. Não haveria dinheiro a perder naquele projeto.

Era estranho observar a pouca carne que lhe restava ser rasgada e o som dos aparelhos que montavam suas novas pernas e braços. A garota a seu lado observava fixamente a cena, mas para ele era desconcertante observar o uso feito de seu próprio corpo.

- Ceifadora, por quanto tempo ainda profanarão meu corpo?

A menina apenas sorriu ao responder.

- Não sou ceifadora, cabe aos próprios humanos traçarem seus próprios rumos. A morte é certeza, aproximá-la ou afastá-la cabe aos viventes.

Continuou a observar a animada conversa dos cientistas, que abriam seu peito em busca de seu coração. Já não lhe seria útil um invólucro de carne, uma bomba controlada por energia auto-alimentável seria mais útil a um soldado perfeito do que a imperfeição orgânica. Colocou a mão no peito ao observar: em nome de um pretenso progresso, violavam seu corpo?

- A consciência será mantida? – Um dos cientistas perguntou.

- Restauraremos os olhos e aplicaremos um mecanismo eletrônico capaz de regular todas as funções do corpo, assim como um cérebro faria, ou até melhor. Será aplicada também uma inteligência artificial programável para o perfeito cumprimento das ordens em campo de batalha. Toda a consciência anterior será deletada, não fará diferença a nosso soldado.

Nesse momento, Mateus apertou a mão da garota a seu lado. A perfeição de um deus dentro da máquina era melhor do que a de um soldado que não conseguira fazer mais do que entrar em coma dentro de um campo de batalha, sua decisão já estava tomada. Disse calmamente enquanto observava as ferramentas prontas para abrirem seu crânio e implantarem a nova existência de seu corpo.

- Vamos embora, deixemos os homens e suas batalhas.

Calmamente, foram andando por um caminho de luz que se abria até desaparecerem. A
escolha feita era óbvia, afinal um espírito seria algo totalmente inútil e dispensável a um soldado perfeito.

***

Sexta-feira tem mais historinha! XD~
E até a próxima. :-)

2 comentários:

Anônimo disse...

Teenagers and Blogs
IHT has republished a NYT report on teenagers who produce content on the Internet.
Find out how to buy and sell anything, like things related to company construction mn road on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like company construction mn road!

piaza disse...

Muito bom, mas pareceu um pouco curto demais.