segunda-feira, outubro 03, 2005

Bom Dia!

Acordou vagarosamente, abrindo os olhos e espreguiçando-se levemente, apenas para lembrar do sonho que tivera: nunca imaginara que banalidades como ir a um clube seriam tão desejadas em algum dia! E que sonho bom fora aquele, ver as garotas de biquíni, encontrar seus amigos, porém principalmente... nadar em uma piscina!

Com cuidado saiu de sua "cama", na verdade apenas uma cápsula no interior de uma parede, tinha vezes em que realmente acreditava estar dormindo em um gavetão do IML... Pelo menos não sofria de claustrofobia, o que poderia fazer com que as coisas se tornassem bem piores... Ou melhor, caso fosse claustrofóbico, não haveria lugar para ele ali! Afinal, há quantos dias estava confinado ali? Estava na véspera de completar três meses, lembrou-se...

Desceu as escadas que separavam seu "quarto" do corredor central - afinal seus companheiros de jornada ainda deviam estar dormindo naquele momento - e desceu novamente as escadas que se encontravam em um vão no meio do corredor até chegar à seção principal de sua "residência" atual. Pelo menos podia pôr os pés no chão e andar, aquele era um luxo raro para quem passava até mesmo dias flutuando... E como a piscina fazia falta, era muito melhor nadar na água do que no ar, pelo menos para ele!

Dirigindo-se para o banheiro, lembrou-se de detestar os tais reality shows que vez ou outra apareciam na TV quando era criança. Que idiotice viver em um confinamento observado por centenas de câmeras e milhares de espectadores, ter de conviver apenas com poucas pessoas por meses e dividir desde comida a tarefas domésticas! Lembrava-se também daqueles jogos de sobrevivência, em que um grupo era mandado a fazer tarefas extenuantes em destinos exóticos! Quanta ironia, pensou enquanto fazia sua higiene matinal com o mínimo cuidado para não desperdiçar nem uma gota de água, estava vivendo em um reality show gigante, era monitorado o tempo todo, vivia em confinamento com outros três camaradas que conhecera no dia de embarcar, tinha de racionar toda a comida e dividir tarefas domésticas, fazia tarefas extenuantes diárias... E o que é pior, não era por um prêmio milionário! Vidas dependiam dele, inclusive sua própria, não podia se dar ao luxo de ser descuidado e provocar um acidente - que resultaria consequências muito mais graves do que uma "eliminação"...

Ao tirar os suprimentos de alimentação do armário e preparar seu café da manhã - a maldita papinha de leite em pó com aveia! - foi tomado por uma onda de nojo antes de respirar fundo e mandar tudo pra dentro: que saudades de comer nem que fosse a mais banal comida caseira, um purê que fosse feito com batatas frescas, carne assada e principalmente... Uma bela salada! Nunca na vida imaginara sentir saudades de comer um bom prato de alface, tomate e cenoura! Enquanto engolia seu café insosso, imaginava-se comendo o melhor jantar preparado pelo melhor cozinheiro, tinha saudades até mesmo daquilo que nunca gostara de comer!

Terminando o café, foi até a sala de operação de máquinas, sentando-se calmamente em seu lugar e inicializando os sistemas de seu computador pessoal. As outras máquinas eram independentes apesar de subordinadas ao sistema central, o que facilitaria controlar uma pane, porexemplo. Um coração funciona por algum tempo mesmo depois que o cérebro pára, os órgãos vitais da operação precisavam funcionar mesmo sem o cérebro caso algum grande problema ocorresse mesmo que apenas pelo tempo necessário do problema ser estabilizado e sanado - ou de fazerem uma retirada de emergência, o que acontecesse primeiro. Seu computador, a máquina central controladora de todos os sistemas, operava em stand-by durante seus períodos de folga.

Na verdade, não era nem mesmo o "cabeça" da operação! Era apenas um técnico de informática, amara os computadores desde a infância... Destacara-se nos estudos de computadores e sistemas, fizera uma excelente universidade com uma bolsa de estudos melhor ainda, fora treinado para estar entre os melhores... Naquele momento, porém, sabia que precisava ainda dar muitos passos se buscava uma pretensa "perfeição"... Mas o que importava? Era bem jovem ainda, seu tutor achou que aquela era uma excelente oportunidade de mostrar suas capacidades além de abrir muitas portas em seu futuro...

E realmente fora o maior desafio que já encontrara... Chamaram-no para fazer parte de uma equipe de um dos projetos mais ambiciosos produzidos pela Humanidade... Trabalhara no desenvolvimento do software de interligação entre os diversos terminais od projeto, entre os diversos setores de toda a operação. E ele, criador, talvez fosse a pessoa mais indicada para comandar o programa, diretamente em seu lugar de aplicação. Obviamente era perigoso demais deixar tudo nas mãos de uma inteligência artificial - se a própria inteligência humana já era falha, não podiam confiar tudo a uma derivativa dessa... Podia até acontecer do poder lhe subir à cabeça, não era seguro...

Mas agora olhando para a tela em sua frente - e ignorando por alguns segundos aquelas ao seu redor - e perdendo-se em um mar de códigos apenas para averiguar que tudo se encaminhava como o necessário, os dedos batendo preguiçosos no teclado, tinha dúvidas se realmente desejava aquilo... Não fazia nem vinte minutos que se sentara e resolvera dar uma volta pela sala para espantar um pouco do tédio, perguntando-se o que fazia ali.

Ao olhar por uma escotilha, lembrou-se imediatamente. Fazia parte da primeira missão humana tripulada para Marte, estava em uma base orbital de apoio responsável por auxiliar e coordenar as equipes que trabalhavam em terra, toda a humanidade clamava pelo sucesso daquela missão! Podia lembrar-se dele quando criança, de brincar de astronauta, de desejar cruzar galáxias, ao mesmo tempo que via as crianças que tinham aquela equipe como ídolos, adultos que voltavam a ter as expectativas da juventude ao ver os telejornais ou procurar notícias na internet sobre o andamento da missão...

E, além de tudo isso... Não havia visão mais bela para se começar o dia do que o Planeta Vermelho ali tão próximo, ao perfeito alcance de seu olhar.

***
Das antigas.
Achei remexendo meus arquivos.
Dá para ver que dei uma mudada boa, não? ^^

E até a próxima terça! ;-)

5 comentários:

piaza disse...

Muito bom, embora não tenha a mesma força das suas outras historias espaciais.

Leonardo disse...

Oi ana,
Gostei, mas faltou uma mulher pra acabvar com o tédio do rapaz.... rsrsrsrsrs
ou quem sabe agente podia ir para marte acbar com o tedio deles?
abraços

PEP disse...

é mudou basatnate mesmo, mas tá valendo, o texto é muito bom, obrigado pelo monmento de lazer....

João Olinto disse...

Sei que você vai discordar, mas... sabia que achei esse texto bem animado?

Mariano de Azevedo disse...

O texto está ótimo.

Como não conheço a versão anterior, não posso opinar sobre..

Mas, gostei!

Beijão!